RESOLVE CONSULT PROJETOS E SOLUÇÕES 98 - 8187 6027

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Sucata moral = Sucata Estatal - intempéries.

Lembro da época em que eu imaginava o Estado Nacional Brasileiro como parte de um sistema mundial corrupto. No nosso país, percebia que os políticos eram tratados como seres superiores de tal modo que obtinham vantagens comparativas em todos os âmbitos da dita democracia representativa. Tinham, com o foro privilegiado e a prisão especial uma outra justiça; com as verbas para superfluosidades tinham uma outra economia. Não pagavam e enfim usufruiam de tudo do melhor. Quer dizer: eu pensava em um sistema que era construido para dar errado. Idos tempos de Fernando Henrique Cardoso na presidencia. Antes da sonhada estabilização. Época de transição economica no mundo: Tigres asiáticos, México, Europa, etc. Tantos desafios e várias vitórias. Apesar de também termos visto alguns escândalos medonhos, não lembro de nenhum sem resposta concreta.
Ah, mas o tempo passou e agora, para uma minoria miope que está no poder, ele (FHC) é o pior presidente que o Brasil já teve e suas conquistas são abocanhadas pelo Lulismo marqueteiro como suas p´roprias conquistas. Mas por quê? Porque ele não tem conquistas suas. Ele não fez nada. Nenhuma reforma séria. Nenhuma lei inovadora. Nenhumn programa objetivo.
Hoje, na era Lula, nós constatamos, além de sua inoperância congênita, os erros do modelo democrático vislumbrando fraudes e mais fraudes sem uma punição real e concreta, sem culpados, sem criminosos e sem respostas à sociedade. É uma afronta à democracia ficar sem punição um crime como os que temos visto por aí na mídia de massa. O planalto central ameaça a imprensa que deveria ser considerada aliada. Um dos poderosos do Partido dos Trabalhadores diz que vai amordaçá-la.
Meu Deus! Onde estamos? Que país é este, ou melhor que partido é este? Quer acabar com o nosso sistema democrático? Em favor de amigos deturpa tudo. Em favor de sí realiza fraudes. Credo.
O que falta é vontade política para realizar reformas políticas. Teremos tempo para escolher

Nenhum comentário:

Postar um comentário